ATENDIMENTO: SEG. A SEX. DAS 8H ÀS 22H | SÁB. DAS 9H ÀS 18H

Bichos de estimação

O que fazer para lidar com o vazio e a tristeza de perder um animal de estimação muito querido.

Ele está sempre pronto para brincar, guarda segredos e, quando sente que a criança está triste, lambe as lágrimas dela e acaba lhe arrancando um sorriso.

Um dia, o amigão do seu filho morre. Você pode se preparar para dar essa dolorosa notícia, mas há situações em que tudo passa tão depressa que nem dá tempo de se despedir. Fica um vazio tão grande…

“Respeitar o luto é muito importante. É como se a criança perdesse um parente querido”, comenta a psicóloga Nanci Nicolau.

AnaMaria mostra como lidar com esse tema tão delicado. As orientações não irão impedir que seu filho fique triste, mas podem ajudar você a oferecer conforto e segurança.

Com um nó na garganta.
Saiba como reagir quando tiver de se despedir do seu bichinho de estimação: 
. O que digo para meus filhos?

O ideal é sempre falar a verdade, mas com delicadeza, principalmente se tiver filhos pequenos. Nesse caso, você pode até criar fantasias, como “Ele virou uma estrelinha” ou “Ele foi morar com Papai do Céu”. Isso ajuda a criança a entender melhor que o amiguinho dela não voltará.

. Posso enterrá-lo no quintal de casa?

O melhor a fazer é ligar para um veterinário de confiança. Ele é quem poderá orientar você sobre o que fazer com o corpo. “Se a morte foi causada por uma doença contagiosa, você não deve enterrá-lo no quintal de casa”, alerta a veterinária Adriane Tomimassu.

. A saudade nunca mais vai passar?

O seu companheiro nunca será substituído, mas é possível que você tenha outro animal. Afinal, existem muitos bichinhos precisando de um lar. “Quando a dor se transforma em saudade boa, a pessoa está pronta para ter um novo companheiro”, garante Nanci Nicolau.

E se tiver de sacrificá-lo?

Apesar da tristeza que isso nos dá, há casos em que é preciso pensar na possibilidade de sacrificar o animal. Nessa hora, não podemos ser egoístas e ignorar o sofrimento pelo qual ele está passando. “Quando a doença não tem cura, sacrificar é uma decisão sábia, até porque o bicho não vai sentir dor com isso”, afirma a veterinária Adriane Tomimassu. Tomar essa atitude pode ser uma prova de amor.

A dor passa. Nessa hora, que tal um novo amiguinho?

Fonte: Jornal Livre


  • Trio ternura Dra Thas com as fofuras de Bento Shirottahellip
  • sou a Pancetta ja estou recuperada!!!! comi uma latinha quehellip
  • olha como amika ficou maravilhosa feita prlo Tio Ton ameiiiiiihellip
  • O Zig comeu um pedao de espeto de churrasco hellip
  •  assim nosso diadia! Pepper veio para consulta !!! contouhellip
  • oieee eu sou o Julio!!!! sou um cgado tenho 24hellip
  • Maria e Guadalupe com 2 meses e 5 meses!!! Duplinhahellip